Ex-Prefeito Joaquim Neto participa de Encontro com Aécio Neves e Convidados no Recife

120

O ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos – que faleceu há um ano em um acidente aéreo- completaria 50 anos nesta última segunda-feira (10). Para marcar a data foi lançado hoje no Recife uma coletânea de todos seus discursos em um grande evento que contou com as presenças de vários políticos nacionais, entre eles o presidente nacional do PSDB, Aécio Neves, e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).

Antes de seguir para o evento, em uma casa de recepções no bairro do Recife Antigo, o senador Aécio Neves conversou com tucanos de Pernambuco (foto), entre eles o presidente da legenda no Estado, deputado estadual Antônio Morares, os deputados federais Bruno Araújo, Betinho Gomes e Daniel Coelho, o presidente do PSDB do Recife, vereador André Régis, o prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Elias Gomes, a presidente do PSDB Mulher-PE, Terezinha Nunes, e o ex-prefeito Joaquim Neto.

Um bate-papo rápido, antes de seguir para o Palácio do Campos das Princesas, sede do governo estadual, onde foi recebido pelo governador Paulo Câmara (PSB) e demais lideranças políticas, mas que no qual ficou acertado o retorno do senador Aécio ao Estado, em setembro, para um evento organizado pelo PSDB-PE.


Na lista dos convidados a falar na homenagem a Eduardo Campos, Aécio Neves destacou que “em qualquer tempo, em qualquer país, um homem das qualidades, da experiência e da responsabilidade de Eduardo fazem falta, hoje, no momento pelo qual o Brasil passa”.

“Todos nós nos preocupamos cada dia mais com o futuro que está por vir, a ausência de Eduardo se torna ainda maior, quase que insubstituível. Não tenho dúvida de que a palavra dele não seria muito diferente da de muitos que aqui hoje falaram. De cobranças em relação àquilo que deve ser cobrado. De denúncias em relação àquilo que deve ser denunciado, até porque é pedagógico. Mas, acima de tudo, de absoluta responsabilidade para com o Brasil. Os governos são circunstanciais, efêmeros, passageiros. Por maior ou menor tempo, eles se vão, mas o Brasil não. O Brasil está para ser construído e será construído quando nós todos tivermos a capacidade de olhar para o futuro, e não apenas para o dia de hoje”.

Deixe sua Opinião