Joaquim Neto diz está surpreso com a acusação de Magno Martins

141
ImagemReproduçãoFacebook

Um sua última publicação, Magno Martins envolveu o nome do ex-Prefeito de Gravatá, Joaquim Neto PSDB, no rombo de 86,5 Milhões de reais, encontrado pela auditoria realizada pelo intervenção do município, Mário Cavalcanti.


Segundo Magno por meio da Repórter, Rebeca SilvaO débito total do município é um acumulado das gestões que vão desde a de Joaquim Neto, em 2002, até a de Bruno Martiniano, em 2015″. Uma informação que não procede.

Em resposta a publicação, Joaquim Neto foi direto ao explanar seu sentimento de tristeza quanto a publicação e disse está surpreso com a acusação.



Caro Magno Martins.


Li, com preocupação e tristeza, a sua publicação acerca da situação por que passa Gravatá, a cidade onde escolhi para morar, onde casei e criei meus filhos, a cidade que tive a oportunidade de ser prefeito por dois mandatos. No entanto, me surpreendi com a acusação feito a minha pessoa de que o rombo de R$ 86 milhões encontrado pela auditoria feita pelo Interventor, Coronel Mário Cavalcanti, tinha origem na minha administração. E sobre isto, encaminho alguns esclarecimentos:

1 – É de seu conhecimento, como um jornalista que cobre as cenas políticas de Pernambuco, que na minha administração a cidade de Gravatá vivia tempos felizes, quase tudo funcionava. A economia era pujante. Funcionava a construção civil, havia grandes festas de eventos, feira de negócios, salários pagos rigorosamente em dia. Eu e minha equipe fizemos Plano de Cargos e Salários da Educação, que hoje os nossos professores têm um dos maiores salários do Estado de Pernambuco. Tivemos um dos menores índices de criminalidade de todos os tempos.

2. Tudo isto fez com que minha gestão fosse encerrada com uma aprovação de mais de 80%, com as finanças equilibradas e todos os fornecedores rigorosamente pagos. E na ocasião, fiz o meu sucessor.

3. Lembro que os dois primeiros anos da administração do meu sucessor, por ter encontrado as finanças equilibradas, o mesmo conseguiu pagar os salários e os fornecedores. No entanto, no seu terceiro ano de mandato ele, o ex-prefeito Ozano Brito, já então com Bruno Martiniano, começou os desmandos administrativos e consequentemente os atrasos de pagamentos, inclusive deixando salários atrasados.

4. No início do mandato de Bruno Martiniano o mesmo contratou uma auditoria onde identificou um rombo de R$ 56 milhões, e a auditora em sua apresentação deixou claro que se tratava do ano de 2012, conforme cópia anexo, que você pode reproduzir.

5. O TCE julgou e reprovou as contas de 2012 do ex-prefeito Ozano Brito, que confirma a auditoria contratada por Bruno Martiniano. Conforme cópia anexa do processo de número 1340080-0, se você quiser também postar.

5. Agora, em mais uma auditoria, o interventor encontrou mais um rombo de R$ 30 milhões dos três anos do prefeito afastado.
Com esses esclarecimentos, desafio os mesmos que lhe induziu a colocar meu nome nessa matéria que apresente os dados apurados pelo Tribunal de Contas do Estado. 


Grande abraço.

Joaquim Neto de Andrade e Silva



Segundo levantamento básico, os dois únicos gestores que teriam participação neste rombo, seriam; Ozano Brito Valença e Bruno Coutinho Martiniano Lins. Algo que um estudo mais aprofundado vai revelar, cedo ou tarde.



Direto da Redação: Gilvan Silva
NRG: Núcleo de Reportagem Gravataense